Prolapsos de Orgãos Pélvicos

O que são Prolapsos dos Orgãos Pélvicos?

Os prolapsos de orgãos pélvicos (POP) consistem, tal como o nome indica, no prolapso ("protusão") dos orgãos da cavidade pélvica - bexiga, uretra, útero, intestino delgado, recto ou cúpula vaginal.

Esta patologia define-se pela deslocação inferior da posição dos orgãos, que ocorre pela flacidez e fraqueza dos ligamentos, músculos, tendões, fascias e outras estruturas pélvicas.

Os POP ocorrem com elevada frequência, em mulheres de todas as idades, embora a sua frequência aumente com a idade, sendo mais frequente após a menopausa. Alguns estudos identificam taxas de prolapsos de graus ligeiro e moderado em cerca de 48% das mulheres, com casos mais graves em cerca de 2% das mulheres.

Factores de Risco

Os principais factores de risco dos POP são:
Gravidez
Gravidez ou vários partos
Menopausa
Menopausa
Obesidade
Obesidade
Trabalho Pesado
Trabalho pesado

Classificação dos Prolapsos dos Órgãos Pélvicos

Durante muitos anos, os POP foram descritos e a sua gravidade graduada, utilizando o sistema de Baden-Walker. 

A posição mais baixa dos orgãos pélvicos durante o esforço abdominal ou em ortostatismo (posição de pé) era utilizada para a classificar como:

  • Grau 0 - Normal;
  • Grau 1 - Prolapso até metade da distância da vagina;
  • Grau 2 - Prolapso até ao nível do hímen;
  • Grau 3 - Prolapso que ultrapassa hímen;
  • Grau 4 - Prolapso máximo de todas as estruturas.

Esta classificação, embora bastante popular e fácil de utilizar, está progressivamente a ser substituída pelo sistema POP-Q (Q de quantitativo), mais complexo mais preciso e pormenorizado na descrição dos prolapsos.

Sintomas do POP

Alguns sintomas são identificados no diagnóstico e agravam-se ao longo do tempo. Os principais sintomas são:

  • Palpação de massa vaginal;
  • Sintomas relacionados com o volume ocupado pelo prolapso (com sensação de pressão ou peso pélvico ou vaginal);
  • Sintomatologia urinária;
  • Sintomatologia intestinal;
  • Disfunção sexual (dispareunia - dor durante as relações sexuais, diminuição da lubrificação);
  • Queixas dolorosas (dor vaginal, vesical, rectal ou lombalgias).

Diagnóstico dos Prolapsos dos Orgãos Pélvicos

Os POP envolvem múltiplos sistemas anatómicos, funcionais e associam-se a sintomatologia genito-urinária, gastrintestinal e músculo-esquelética. 

A avaliação inicial deve obrigatoriamente incluir a caracterização sintomática e consquente alteração das actividades da vida diária que condiciona.

Deve ser efecctuado um exame ginecológico cuidadoso.

Podem ser realizados vários exames para perceber a natureza da patologia, tais como:

Tem algum destes sintomas de Prolapso dos Orgãos Pélvicos?

Esta patologia é muito frequente nas mulheres. Se tiver alguns dos sintomas de POP marque uma consulta connosco.

Tratamento dos Prolapsos dos Orgãos Pélvicos

Em mulheres assintomáticas ou com sintomatologia ligeira, pode estar indicado um tratamento conservador. 

Quando o prolapso é significativo ou a sintomatologia é muito incómoda, deve optar-se por algum tipo de terapêutica, cirúrgica ou não.

A escolha do tratamento depende de:

  • Tipo e da intensidade dos sintomas;
  • Idade;
  • Co-morbilidades;
  • Expectativas quanto à actividade sexual;
  • Fertilidade;
  • Presença de factores de risco para a recidiva.

 

Medidas Preventivas durante o Tratamento 

As medidas mais importantes a aconselhadas para as doentes são:

  • Alimentação saudável;
  • Controlo Ponderal;
  • Evitar o consumo de tabaco;
  • Diminuir os esforços violentos;
  • Parto o menos traumáticos possível;
  • Prevenção da obstipação;
  • Utilização de terapêutica hormonal após cirurgia pélvica.


Tipos de Tratamento dos POP

O tratamento pode envolver ou não uma abordagem cirúrgica. 

Os principais tratamentos não cirúrgicos são:

  • Utilização de pessários (dispositivos médicos que proporcionam suporte estrutural às estruturas e orgãos pélvicos);
  • Exercícios de fortalecimento do pavimento pélvico (exercícios de Kegel);
  • Reabilitação pélvica (com técnicas de electrostimulação e biofeedback).

Os principais tratamentos cirúrgicos são:

  • Técnicas obliterativas (envolvem encerramento vaginal);
  • Técnicas reconstrutivas (tentam restabelecer a anatomia pélvica), obviamente as mais utilizadas.

As cirurgias podem envolver os diferentes "compartimentos" vaginais:

  • Compartimento anterior (quando envolve a parede vaginal anterior, geralmente por um prolapso da bexiga);
  • Compartimento médio (em que ocorre um prolapso do útero ou da cúpula vaginal, neste caso com procidência do intestino;
  • Compartimento posterior (associado a um prolapso do recto).

Durante estas cirurgias de correcção dos POP pode ser realizada a histerectomia (remoção do útero) e serem aplicados próteses para evitar a recidiva dos POP.

Prognóstico dos Prolapsos dos Órgãos Pélvicos

Os prolapsos de orgãos pélvicos são um problema de saúde com enorme repercussão na qualidade de vida das doentes. 

Um conhecimento mais profundo dos factores de risco e de progressão desta entidade, como os acontecimentos relacionados com a gravidez e o parto, permitirá, no futuro, ter mais oportunidades e eficácia para prevenção dos POP.

O tratamento eficaz devem incidir nos sintomas e a sua correlação com as alterações anatómicas apresentadas.

Dr. José Santos Dias

Director Clínico do Instituto da Próstata

  • Licenciado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa
  • Especialista em Urologia
  • Fellow do European Board of Urology
  • Autor dos livros "Tudo o que sempre quis saber Sobre Próstata", "Urologia fundamental na Prática Clínica", "Urologia em 10 minutos", "Casos Clínicos de Urologia" e "Protocolos de Urgência em Urologia"

Perguntas Frequentes sobre Prolapsos dos Orgãos Pélvicos

O que são os Prolapsos dos Orgãos Pélvicos (POP)?

icon down

O que causa os Prolapsos dos Orgãos Pélvicos?

icon down

Quais são os principais sintomas dos POP?

icon down

Que tipos de tratamento existem para os POP?

icon down
Referências

Pedido de Marcação de Consulta