Reabilitação Pélvica para a Incontinência Urinária

Em que Consiste a Reabilitação Pélvica?

Este tratamento procura devolver a função e capacidade dos músculos e outras estruturas do pavimento pélvico, através de exercícios, movimentos voluntários e outras técnicas que restabelecem a "força" das contrações e a tonicidade dos tecidos, assim reduzindo as queixas urinárias.

O pavimento pélvico é uma espécie de suporte, que é constituído por uma série de músculos, ligamentos, tendões e fascias que garantem o posicionamento de órgãos como a bexiga, intestinos, a uretra ou, nas mulheres, o útero.

Estas estruturas são elásticas, idealmente bastante firmes e têm a capacidade de se mover e contrair. Estes movimentos são necessários para que a eliminação de urina, fezes ou gases, não aconteça involuntariamente.

Além destas características, estes músculos e restantes estruturas contribuem para a sensibilidade e a estimulação sexuais, em ambos os sexos e ajudam ainda o pénis a ficar erecto e a ejacular, no caso dos homens.

Como é o procedimento de Reabilitação Pélvica?

O relaxamento das estruturas pélvicas é essencial para que os músculos não estejam sempre contraídos, o que pode prejudicar as funções do pavimento pélvico.

O oposto é também fundamental, ou seja, se os músculos estiverem sempre relaxados e não conseguirem contrair, não permitem obter o grau adequado de continência urinária. Daí a importância de, com a fisioterapia, restabelecer a normal função e capacidade dos músculos pélvicos.

Fisioterapia na Reabilitação Pélvica

A fisioterapia do pavimento pélvico é importante, pois os doentes realizam técnicas específicas, que minimizam as consequências das causas que levaram à incontinência - tanto nos homens, como nas mulheres.

Além da promoção da consciência corporal, são usadas técnicas manuais de manipulação, para recrutamento de diferentes grupos musculares, correcções posturais, etc.

Além dos exercícios e técnicas realizadas, são sugeridas mudanças de hábitos e comportamentos. Por exemplo, envolvendo:

  • Mudanças comportamentais alimentares;
  • Ingestão de líquidos na dose diária e intervalos recomendados;
  • Controle no número de idas à casa de banho - urinar entre 6 a 8 vezes por dia.

O esforço mais importante não é feito apenas durante as sessões de fisioterapia; é essencial que os doentes façam exercícios por si, no domicílio, ao longo do dia e fora das sessões de fisioterapia, pois os resultados são muito dependentes do esforço individual.

 

Exercícios de Kegel

Estes exercícios foram criados por Arnold Kegel e têm como objectivo devolver a força e as funções normais do pavimento pélvico, tendo por objectivo atenuar os sintomas urinários, nomeadamente a incontinência. Estes exercícios muitas vezes melhoram também o desempenho sexual. 


Os exercícios são simples, baseiam-se na contracção e descontracção dos músculos da região pélvica, perineal e peri-anal e devem ser realizados todos os dias, pois só assim se podem fortalecer e tonificar os tecidos e conseguir os resultados pretendidos. 

 

Electrostimulação e Biofeedback

Além dos exercícios e técnicas de fisioterapia "clássica", é essencial complementar a reabilitação pélvica com as técnicas de electrostimulação e biofeedback. 


Na primeira, os músculos pélvicos são estimulados com “micro-choques” eléctricos, de muito baixa voltagem, que estimulam o seu desenvolvimento, tonicidade e capacidade de contracção.

Com as técnicas de biofeedback, pretende-se que os doentes aprendam a contrair os músculos certos na altura certa, de modo a poderem contraí-los nas alturas em que podem ocorrer perdas, evitando assim a incontinência.

Quer obter mais informações sobre a Reabilitação Pélvica?

Marque uma consulta no Instituto da Próstata, exponha todas as suas dúvidas e saiba todas as informações sobre este tratamento para a incontinência urinária.

Como é o Pós-tratamento Reabilitação Pélvica?

Os doentes recebem recomendações dos fisioterapeutas para continuarem e promoverem os exercícios de fortalecimento dos músculos pélvicos, em casa. 

Nestas recomendações é indicada a frequência com que o doente deve fazer os exercícios, durante quanto tempo deve executar as contracções recomendadas, quantas vezes deve repetir as mesmas bem como outras indicações relevantes.

Este processo é da inteira responsabilidade do doente; por isos, os resultados obtidos dependem muito do seu esforço e dedicação diários.

Dr. José Santos Dias

Director Clínico do Instituto da Próstata

  • Licenciado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa
  • Especialista em Urologia
  • Fellow do European Board of Urology
  • Autor dos livros "Tudo o que sempre quis saber Sobre Próstata", "Urologia fundamental na Prática Clínica", "Urologia em 10 minutos", "Casos Clínicos de Urologia" e "Protocolos de Urgência em Urologia"

Perguntas Frequentes sobre Reabilitação Pélvica/Fisioterapia

O que é o pavimento pélvico?

icon down

A Reabilitação Pélvica é para homens e mulheres?

icon down

O que causa o enfraquecimento dos músculos pélvicos?

icon down

Para além dos exercícios, existem outras medidas complementares?

icon down
Referências

Pedido de Marcação de Consulta